Gráfica Planeta

Com yoga, Cristiane Blum Montes supera luto e inexperiência para manter forte a quase centenária Gráfica Planeta

Quem conversa com Cristiane Blum Montes, diretora da Gráfica Planeta, de Ponta Grossa, enxerga uma gestão serena e equilibrada. Com fala mansa, ela demonstra foco em fazer a empresa se manter viva, apesar de todas as dificuldades destes tempos de pandemia. Até aí nada demais em se tratando de alguém que dirige uma empresa que tem quase 100 anos de história e que já passou por inúmeros períodos de crises econômicas no Brasil. O que espanta é que oito meses atrás Cristiane não sabia nada do ramo gráfico e nem passava por sua cabeça dirigir um empreendimento do porte da Gráfica Planeta. No entanto, Cristiane não teve escolha. Seu marido, Josué Montes, que comandava a gráfica, faleceu de covid-19 em agosto de 2020 e ela se viu obrigada a arregaçar as mangas para manter forte o negócio da família.

E não houve nem tempo para luto ou adaptação. “Um dia depois do meu marido falecer eu estava lá na Planeta tomando conhecimento de tudo. Não tinha opção, pois não havia mais ninguém da família para assumir. Tive que aprender cada detalhe, ir atrás de fornecedor, conversar com funcionários. Trabalhei na produção, no acabamento e fui aos poucos entendendo como funcionava. A cada dia aprendo mais. Claro que contei e ainda conto com a importantíssima ajuda dos meus funcionários, que são como uma família. Alguns estão na gráfica há mais de 50 anos. Esse apoio deles facilitou o meu aprendizado”.

Embora nunca tivesse atuado diretamente no setor gráfico, Cristiane tinha contato com este mundo desde 1993, quando se casou com Josué. O falecido marido já trabalhava na Planeta, acompanhando o pai Davi Montes, que ainda hoje é conselheiro do negócio. Davi havia herdado a empresa do pai João Montes Filho, que fundou a Planeta em 1923 com os amigos Marcos Pereira e José Marcos do Nascimento. Os dois sócios aos poucos foram saindo. “O Josué aprendeu tudo de gráfica na prática. Entrou aos 14 anos limpando depósito e foi passando por todos os setores. No dia a dia sempre conversávamos sobre as coisas da empresa, mas o meu contato com o ramo gráfico ficava nisso. Até porque eu já era dona de uma loja de artesanato, que fica anexa à própria gráfica. Atualmente me divido em administrar a Planeta e a loja”.

Nessa empreitada, Cristiane levou o filho João Blum Montes, estudante de Psicologia, para ajudá-la na administração. Os planos, porém, são que ele contribua mais alguns anos apenas, seguindo a sua carreira de psicólogo depois que se formar.

Foco nas embalagens

À frente da gráfica, Cristiane vai aprendendo as artimanhas do setor, tanto que já tem mantido posição a respeito do nicho ao qual pretende dar mais atenção. “O nosso carro-chefe sempre foram os manuais técnicos para empresas, mas estamos nos tornando fortes também em embalagem por conta da demanda, que tem sido muito boa para várias partes do Brasil. No momento, não pensamos em investimentos, mas se eles acontecerem serão em equipamentos para embalagens de papel, que são o futuro do setor, até porque a sacola plástica tende a acabar”, explica Cristiane, que já projeta um leve crescimento na produção em 2021 em relação a 2020.

Apesar dos planos de investimento, o horizonte da Planeta nas mãos de Cristiane não é tão longe. A intenção dela é vender a gráfica daqui uns dez anos, quando o filho mais novo, hoje adolescente, estiver encaminhado. “Já até recebi propostas, mas não eram vantajosas. Por enquanto vamos levando, mas pode ser que venda no futuro. Quero encaminhar os filhos e ir morar na praia”.

E você pode estar se perguntando de onde vem tanta tranquilidade assim para superar a perda do marido e ao mesmo tempo assumir a responsabilidade de comandar uma empresa quase centenária. Cristiane explica: “Busco levar uma vida equilibrada por meio da yoga e do contato com as plantas. Isso me deixa centrada e reflete em tudo o que faço. Ajuda na conversa com os funcionários, nas negociações e na administração dos negócios. Consigo ter disciplina para superar esses tempos bem turbulentos sem me estressar tanto”.

Posted in historias.